Lugares‎ > ‎Jalapão, TO‎ > ‎

Dicas

 
 
 

Preparativos: não desanime por não ter todas as informações antes de sair. O Jalapão é um destino selvagem e por isso mesmo está tão bem preservado. Tenha espírito aventureiro, de descoberta, mas antes de sair da sua cidade, planeje o roteiro e pesquise/compare informações na internet, revistas e jornais.

Carro: você pode ir com carro sem tração mas não vai sair da estrada principal e assim ficar bem longe das atrações. A melhor opção é um 4x4, com certeza.

Combustível: é preciso ficar atento, pois as distâncias são longas e apesar das maiores cidades como Mateiros e Ponte Alte terem postos, não há garantia de que terá combustível. Recomendável ter veículo com boa autonomia e levar combustível reserva. Como estávamos sem tanque reserva, fizemos uma gambiarra sugerida no local: levamos 8 litros de gasolina em garrafas PET 2 litros !!! Absolutamente não recomendado. Mas ainda bem que nós fizemos isso pois realmente tivemos de usar esse combustível para chegar em Mateiros. Tenha também sempre uma caixa com ferramentas básicas, verifique o estepe, carregue sempre uma corda e lanterna. Você pode precisar.

Comunicação: celular esquece! Serviços para verificar condições de estrada, nem pensar. Converse com os locais que usam carro para serviços (donos de pousadas, mercadinhos...). Eles têm informação atualizada sempre.

Hospedagem: nós levamos barraca para emergência, mas conseguimos ficar em pousadinhas simples, que atenderam o básico. A boa surpresa foi a pousadinha de Mateiros, com lençóis brancos e limpos, e ar condicionado.

Quando ir: nós fomos forçados a ir em janeiro por causa das minhas férias. A gente já sabia que é mês de chuva e realmente pegamos várias chuvaradas. Segundo informações de outros sites os melhores meses são os da estiagem, entre maio e setembro.

Temperaturas: o Jalapão fica no cerrado, as temperaturas são altas durante o dia e caem à noite. Leve um casaquinho por precaução.

Alimentação: podíamos ter passado fome se não tivéssemos levado comida. Não encontramos restaurantes abertos em Mateiros. Essa impressão ficou pior quando descobrimos que não iriam fazer janta de jeito nenhum no dia do último capítulo da novela. Portanto, leve uns noodle cups, você poderá precisar deles. Além de barrinhas de cereais, bolachas, frutas desidratadas, achocolatados prontos, queijinhos, etc.

Roupas: as roupas podem ser leves. Não se esqueça de usar botas e calças compridas nas caminhadas por causa de cobras.

Estradas: são precárias, cheias de buracos e vazias de informação. Redobre a atenção nas chuvas, elas se tornam perigosíssimas!

Nas cidades: o Jalapão ainda não tem uma infra estrutura adequada para atender o turista. Conforme-se e prepare-se, levando água, comida e combustível. Leve dinheiro em espécie para os gastos, pois cartões não são aceitos em todos os lugares.

O que fazer: atividades não faltam no Jalapão. Os imperdíveis: Fervedouro, Dunas, Cachoeira do Formiga, Cachoeira da Velha, Praia do Rio Novo, Pedra Furada e Gruta do Sussuapara. Também fizemos as cachoeiras da Fumaça, Soninho e Lajeado.  Um programa que não fizemos mas que numa próxima faremos é a trilha para o Mirante da Serra do Espírito Santo. Vê-se a trilha (uma subida íngreme) da estrada que segue prá Mateiros, próximo as Dunas. Disseram que a vista lá de cima é espetacular! Existe ainda o vilarejo de Mumbuca, onde uma comunidade fabrica produtos diversos com capim dourado, o ouro da região. Os trabalhos são lindos mas conseguimos comprar várias peças na cidade de Mateiros, que possui cooperativas de artesãos, a um preço convidativo e não tivemos muita curiosidade de ir visitar o vilarejo. Além desse circuito, existem operadoras  que levam turistas a descer o rio Novo fazendo um rafting de três dias. O rio Novo é um dos últimos rios de água potável do mundo, mas se você não for tão fã de rafting, pode fazer como nós, que visitamos a Cachoeira da Velha e a Praia do rio Novo. Uns caras que fazem o rafting é o pessoal da Venturas e Aventuras. Caso queira, faça contato com eles.

 

 

 

 

 

Aproveite!

 

             O Jalapão é considerado um deserto por causa da baixa densidade populacional. Sinta a sua presença no mundo! Se não tivemos nenhuma experiência gastronômica relevante que aguçasse o paladar, não podemos dizer o mesmo com os outros sentidos!

            Os fervedouros seriam mais um lugar muito bonito a ser ticado da lista se não fosse a sensação das bolhinhas nos fazendo flutuar, aquele monte de areinha borbulhando na gente, a falta de chão. E como você se sente nessa situação, sem chão, suspenso.

            O canyon sussuapara poderia ser só mais um ponto turístico se a temperatura e umidade não produzissem aromas peculiares.

            Mergulhar nas águas verde-cristalinas do Formiga é como mergulhar num sonho.

            O Jalapão ainda permite que nós possamos nos conectar com o poder da natureza. Lá somos nós os observados. Acho até que se as dunas pudessem falar, diram: “Minha existência é de milhares de anos. Já fui montanha, hoje sou duna, amanhã o vento me leva. E você?”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja o mapa que fizemos com as principais cidades e atrações do Jalapão